Embora a globalização tenha levado o Natal até aos cantos mais insuspeitos do planeta, a cultura tradicional japonesa continua a manter-se firme e o Ano Novo japonês (Shōgatsu) continua a ser a festa mais importante do calendário nacional. Para além de enfeitar as ruas com milhares de luzes natalícias ao mais puro estilo ocidental, o Japão também conserva as suas próprias cerimónias milenares, uma mistura de ideias budistas xintoístas, cujo objectivo é atrair a sorte e a saúde. Estas celebram-se ao longo de três dias, durante os quais só se realizam os trabalhos mais necessários: o mais importante nesses dias é a família. Por isso, é melhor não se deslocar muito pelo país. A televisão passa cenas de “Kohaku uta gassen”, o programa especial que se popularizou nestes últimos anos.

O primeiro sol nascente

Embora o Japão não seja o primeiro país a receber o ano – essa honra pertence ao Kiribati – é um dos primeiros e isso tem um significado especial, pois, desde a época Meiji, que se acredita que o primeiro nascer do Sol traz sorte e saúde. Antes do início do Ano Novo, os japoneses costumam dedicar algum tempo a recordar o ano que passou, despedindo-se dele e das velhas preocupações para iniciar um novo ano imaculado. Este costume chama-se “Hatsuhinode”: é habitual assistir ao amanhecer em locais particularmente bonitos, como o Monte Takao, em Tóquio, ou Miyajima, com a sua Torii [portão tradicional, como o da imagem de cima] do Santuário Itsukushima.

LIMPEZA e PINOS DECORADOS

Durante as celebrações do Ano Novo japonês, costumam jogar-se jogos tradicionais e comer. Até aqui, nada a assinalar, mas também se faz uma limpeza completa da casa, ao estilo de Marie Kondo, para depois a enfeitar com kadomatsu, pinos decorativos que representam a longevidade, que se colocam no dia 14 de Dezembro e se mantêm até dia 14 de Janeiro.

Templos japoneses
SHUTTERSTOCK

TEMPLOS E SANTUÁRIOS

Depois do jantar de fim-de-ano, as famílias costumam visitar o santuário para fazerem as suas orações, normalmente vestindo trajes tradicionais, como quimonos. Este costume chama-se “hatsumode”. Os templos budistas fazem soar 108 badaladas em representação dos pecados dos quais as pessoas devem desfazer-se para começar o novo ano. Algumas das badaladas são dadas pelos próprios fiéis (no budismo, 108 é o número de desejos que causa sofrimento aos seres humanos). Nos templos também se pode comprar omikuji, previsões escritas sobre os acontecimentos do Ano Novo, objectos decorativos e gastronomia tradicional.

ENTRAR NO PALÁCIO IMPERIAL DE TÓQUIO

O dia 1 de Janeiro é um dos únicos dois dias do ano em que algumas das zonas privadas do Palácio Imperial de Tóquio abrem ao público. Neste dia, a Família Imperial felicita o Ano Novo a partir do Palácio e faz diversas aparições em público. O outro é o aniversário do imperador, no dia 23 de Fevereiro.

Ruas iluminadas

POSTAIS de ANO NOVO

O nengajo é uma excepção no mundo digital. Há algo de magnificamente analógico nesta curiosa tradição do Ano Novo japonês, na qual os japoneses dedicam boa parte do seu tempo a preparar postais especiais, escritos à mão e enfeitados, para enviar a amigos, familiares e colegas de escola ou de trabalho.

GASTRONOMIA TÍPICA

Como em quase todos os sítios do mundo, o Ano Novo japonês também se comemora através da gastronomia. Alguns dos alimentos habituais incluem os “toshikoshi” soba, umas massas compridas de trigo sarraceno tradicionais da noite de fim-de-ano, que, segundo a crença local, proporcionam uma vida longa e feliz; os “ozoni”, pequenos pastéis que se comem no Ano Novo juntamente com sopa com soba; e “osechi ryori”, uma preparação variada para os primeiros três dias do ano, que se serve habitualmente em caixas lacadas com vários pisos e compartimentos, composta por feijão “kuromame”, peixe assado e legumes e doces como o “datemaki”, uma espécie de tortilha doce. A comida é frequentemente acompanhada por otoso, um saké com especiarias típico do Ano Novo, elaborado com diversas ervas medicinais para curar as doenças do ano velho.

Comemorações ano novo

CELEBRAÇÕES NOCTURNAS

A globalização fez com que outras celebrações menos tradicionais chegassem ao Japão. É o caso da contagem decrescente nos últimos segundos do ano. Em Tóquio, a contagem decrescente para o Ano Novo do Templo Zojo-ji transformou-se num dos eventos mais concorridos e aguardados. Também é realizada uma contagem decrescente no porto de Yokohama, com direito a fogos-de-artifício. Quem quiser aventurar-se na vida nocturna japonesa, Roppongi (em Tóquio) é o sítio certo: as celebrações prolongam-se até de madrugada, com DJs como mestres das cerimónias.

FUKUBUKURO, SACOS SuRPRESA

As compras de Ano Novo são muito tradicionais no Japão e os fukubukuro são o produto mais procurado. Disponíveis em todos os tamanhos e preços, estes sacos de surpresa incluem todo o tipo de objectos, desde roupa a cosmética, passando por alimentação ou electrónica. O pormenor: não se sabe o que contêm até serem abertos.