10 das formas de transporte mais peculiares do mundo

À medida que as Filipinas vão eliminando o seu "jeepney" característico, analisamos as formas mais invulgares de os viajantes se deslocarem de A para B.

Actualizado a

Passageiro olha através de uma janela enquanto viaja num autocarro conhecido localmente como "car rapide"
Normand Blouin/Reuters/Redux

Um passageiro olha através de uma janela enquanto viaja num autocarro conhecido localmente como "car rapide" em Dakar. Veículos de transporte público semelhantes noutros países são adorados pelos autóctones.

Estão pendurados de cabeça para baixo, deslizam sobre canais, descem colinas ou funcionam como discotecas móveis, mas o que é certo é que os meios de transporte mais singulares do mundo levam os passageiros para onde precisam de ir. De trenós a triciclos e carrinhos de cesto, muitos destes veículos tornaram-se ícones nacionais, adorados pelos locais e apreciados pelos turistas.

Veja-se o caso do jeepney filipino. Estes autocarros policromáticos, feitos a partir de antigos jipes militares dos Estados Unidos, têm sido a base do sistema de transportes públicos do país durante décadas. 

Da Ásia a África, Europa, Estados Unidos e América do Sul, aqui estão dez das formas de transporte mais intrigantes do mundo.

Tobogãs na Madeira

Hans-Bernhard Huber/Laif/Redux

1 / 10

Os carrinhos de cesto da Madeira

Sentar-se numa poltrona de vime e deslizar por uma colina abaixo pode ser uma experiência de férias inesquecível. Mas durante décadas, desde meados do século XVIII, estes carrinhos de cesto foram utilizados como transporte público na Madeira, Portugal.

Hoje em dia, são os turistas que descem as ruas das encostas da cidade do Funchal, com dois operadores ágeis a correr atrás (os carreiros) para empurrar o trenó na direcção mais segura. Nesta imagem, os carreiros encontram-se à porta de um hotel no Monte.  

E-sleds na Lapónia

Emanuela de Santis / Anzenberger / Redux

2 / 10

"E-sleds" na Lapónia

Na selva gelada da Lapónia finlandesa, uma das regiões mais setentrionais da Europa, os carros não têm acesso a muitos locais, pelo que as motos de neve são a solução. Recentemente, esta faixa cénica passou a ser servida por versões amigas do ambiente, os chamados e-sleds. Enquanto os habitantes locais utilizam estes veículos eléctricos para se deslocarem ou fazerem recados, os turistas podem utilizá-los para chegar a lagos gelados, florestas sublimes e locais privilegiados para a pesca no gelo.

Na imagem, vemos várias duplas a deslocarem-se em e-sleds, numa travessia de um lago congelado ao pôr-do-sol em Torassieppi, na Lapónia finlandesa.

Jeepneys nas Filipinas

Mike Theiss, Colecção de Imagens Nat Geo

3 / 10

"Jeepneys" nas Filipinas

Semelhante a um passeio de tuk-tuk na Tailândia (transporte que Portugal adoptou nos últimos anos), um passeio num jeepney é uma experiência turística filipina por excelência. Podem ser lentos, deitarem fumo e entupirem as estradas, mas os jeepneys continuam a ser muito populares.

Decorados com cores e motivos de encher o olho, os veículos são tão omnipresentes que se imprimiram na psique nacional. Desde que chegaram às ruas, nos anos 1950, provaram ser não só úteis, mas também exemplos orgulhosos do engenho e criatividade filipinos. Foram convertidos a partir de veículos militares deixados para trás após a Segunda Guerra Mundial pelos Estados Unidos, que tinham várias bases no país do Sudeste Asiático. Para dar aos jeepneys uma identidade local, foram decorados com murais brilhantes.

Na fotografia, vemos um agente da polícia a circular numa mota entre jeepneys no centro de Manila, nas Filipinas. Os 150.000 veículos da era da Segunda Guerra Mundial estão a ser gradualmente substituídos por autocarros e minivans amigas do ambiente.

Autocarros anfíbios nos Países Baixos

Miquel Gonzalez / Laif / Redux

4 / 10

Autocarros anfíbios nos Países Baixos

Ninguém entra em pânico quando o Amfibus dos Países Baixos sai da estrada e desce a um canal. Isso acontece porque flutua e tem um motor ao longo da via navegável antes de voltar para as ruas. Há mais de uma década que as cidades holandesas são servidas por este veículo anfíbio, que é parte autocarro, parte barco. Construído pela Dutch Amphibious Transport, o Amfibus pode viajar a cerca de 100 quilómetros por hora no asfalto e a 20 na água.

Trishaws em Malaca

Chong Voon Chung / Xinhua / Eyevine / Redux

5 / 10

"Trishaws" em Malaca

Para veículos tão pequenos, é possível ver e ouvir os trishaws de Malaca a uma distância surpreendente. Enquanto os requixós movidos a pedal têm diminuído em toda a Ásia, nesta cidade da Malásia eles estão a girar com toda a pujança graças às redes sociais, com as suas versões melhoradas a tornarem-se um favorito no Instagram. Decorados com luzes de néon, estampados com desenhos animados e com música a bombar nas aparelhagens, são como clubes nocturnos móveis.

Aviões de mato no Alasca

Frans Lanting

6 / 10

"Bush planes" no Alasca

Na fotografia, um avião de turismo rural sobrevoa um glaciar no Parque Nacional de Wrangell St. Elias, no Alasca. Partes deste vasto estado americano são tão isoladas que é impossível ou demasiado demorado chegar até lá de carro ou mota de neve.

Felizmente, os céus do Alasca oferecem um caminho livre para os seus bush planes, uma forma fundamental de transporte público. A maioria são aviões pequenos e básicos que podem aterrar em pistas estreitas e irregulares; alguns na água. Transportam mantimentos e residentes entre comunidades remotas e trazem turistas para a natureza selvagem.

Carros rápidos em Dakar

Pierre Gleizes / Rea / Redux

7 / 10

Os "car rapides" em Dakar

Foram construídos em França nos anos 1970, antes de chegarem ao continente africano, onde se tornaram um meio de transporte célebre. No Senegal, são conhecidos por car rapides (na foto um deles, exposto no Musée de l'Homme, em Paris, França), mas não são carros nem andam depressa. Em vez disso, são autocarros bastante volumosos que percorrem as ruas apinhadas de gente da capital nacional, Dakar. Tal como os jeepney filipinos, os car rapides existem em grande número, estão decorados de forma garrida, têm um forte valor sentimental e estão a ser gradualmente eliminados para melhorar o tráfego rodoviário.

Monocarril suspenso em Wuhan

Xiao Yijiu / Xinhua / Eyevine /Redux

8 / 10

Monocarril suspenso em Wuhan

Esta fotografia, tirada em 9 de Maio de 2023, mostra o teste final da linha de monocarril suspenso em Wuhan, na província de Hubei, no centro da China. Este veículo passa por cima da cidade, pendurado de cabeça para baixo. Suspenso por baixo de um feixe de carris, o comboio Optics Valley Photon tem duas carruagens com capacidade para 200 passageiros e oferece-lhes uma vista de 270 graus sobre a paisagem circundante. A primeira fase deste sistema de monocarril suspenso servirá uma linha de 10 quilómetros e parará em seis estações e, segundo consta, viajará até 70 quilómetros por hora.

Autocarros-galinha na Guatemala

Natalie Keyssar

9 / 10

Autocarros-galinha na Guatemala

Antigos veículos escolares americanos encontraram uma nova vida como chicken buses na Guatemala. A prática comum de os passageiros transportarem aves cacarejantes a bordo inspirou o seu nome. Durante décadas, estes veículos de cores vivas percorreram as estradas, por vezes acidentadas, deste país da América Central, onde entrar a bordo de um chicken bus apinhado se tornou uma actividade turística.

Rickshaws puxados à mão em Calcutá

Miquel Gonzalez / Laif / Redux

10 / 10

"Rickshaws" puxados à mão em Calcutá

Calcutá é uma das poucas cidades onde os riquexós de tracção manual permanecem como transporte público e não como uma novidade. Nos anos 1800, os imigrantes chineses introduziram estes carrinhos de duas rodas nesta cidade histórica do nordeste da Índia. Os magros wallahs de riquexó, como são chamados os transportadores, usam apenas a sua força para puxar estes veículos raquíticos e antiquados no meio do trânsito intenso desta gigantesca metrópole do nordeste da Índia.

Artigo publicado originalmente em inglês em nationalgeographic.com.