Preferencialmente nocturnos, estes cativantes animais são as únicas espécies pertencentes ao género Melursus, apresentando um conjunto de características distintivas que os diferenciam facilmente das outras espécies de Ursídeos.  Estas incluem uma densa juba negra, com exceção de uma faixa branca em forma de V no peito. Além disso, têm um focinho comprido, com um nariz e lábios notoriamente proeminentes e flexíveis, bem como patas curvadas para dentro, encimadas por garras afiadas, mais adequadas para escavar do que para apanhar e rasgar as presas. É devido a todas estas características que, quando os primeiros zoólogos europeus recolheram as primeiras descrições e peles indianas deste animal, pensaram estar perante uma espécie aparentada com as preguiças americanas, daí o seu nome. 

Mas as semelhanças com as preguiças não se ficam por aqui: tal como as preguiças, o urso labiado também se desloca com extrema lentidão, pode trepar às árvores e, por vezes, apresenta um comportamento invulgar, como o que se vê nesta imagem captada pelo fotógrafo Aditya Singh na Reserva de Tigres de Ranthambhore: carrega as crias às costas

"A mãe estava à procura de comida. Estes grandes ursos comem coisas pequenas, como térmitas, insectos e bagas, pelo que têm de caminhar longas distâncias para encher a barriga", comenta o autor.

"As crias têm cinco meses de idade. Os ursos-preguiça são os únicos ursos do mundo que andam às costas da mãe até aos sete meses de idade. Raramente têm mais de duas crias, pois não há espaço suficiente nas costas da mãe para carregar mais", acrescenta.

"São animais muito especiais para mim. Normalmente são tímidos e raramente nos dão mais do que alguns minutos para os fotografar. O bom deste momento é que estavam tão ocupados à procura de comida que nem sequer se incomodaram connosco", remata o fotógrafo.