O futuro da nossa espécie é imprevisível e imponderável. Os tempos de vida das espécies de mamíferos são geralmente medidos em centenas de milhares ou alguns milhões de anos, pelo que podemos esperar um futuro longo, mas finito, para a nossa saga. A maioria das espécies extingue-se sem descendência, embora algumas dêem origem a outras espécies.

As nossas hipóteses de sobreviver a acontecimentos naturais imprevisíveis também parecem depender, em parte, das nossas próprias acções. Só se a nossa espécie for capaz de manter ou mesmo aumentar tecnologicamente a sua criatividade especial é que será possível, num futuro mais ou menos imediato, conseguirmos sobreviver como espécie e até estabelecer colónias viáveis noutros mundos, onde a história evolutiva humana começará a desenrolar-se fora do nosso planeta de origem, com a criação de uma nova espécie evolutiva (Homo spatialis?), talvez ainda mais criativa, continuando a sua sobrevivência na Terra enquanto o planeta for capaz de suportar vida. Porque, como disse Konstantin Tsiolkovsky, para muitos o pai da cosmonáutica, “a Terra é o berço da humanidade, mas não se pode viver num berço para sempre”.

Serve esta introdução para vos apresentar a Edição Especial "Segredos do Cérebro", já nas bancas, que explora a capacidade humana para encontrar respostas inusitadas e geniais. 

Índice:

  • A natureza da criatividade humana 
  • História evolutiva da criatividade humana 
  • A base neural da criatividade 
  • Criatividade entre a genialidade e a loucura 
  • Leituras recomendadas