Quer fazer de 2024 um ano diferente? Aquele ano que constará das histórias mais extraordinárias que não poderá deixar de contar, com o coração empolgado, aos netos ou aos novos amigos?

Apaixonada por viagens e com uma longa experiência em travessias entre continentes, a Air France propõe-lhe alguns saltos geográficos e culturais... até África, às Américas ou à Ásia, como o menu seguinte sublinha:

Nairobi e Joanesburgo: África no seu esplendor selvagem E URBANO

Mergulhe nas vastas planícies do Quénia, a caminho da capital, Nairobi, várias vezes comparada a Nova Iorque. Se a combinação vida selvagem-e-cidade o seduz, se se imaginou a fazer um dia um safari fotográfico ou se os chamados "big five" (leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte) não o intimidam, este destino pode ser uma boa escolha. Riqueza cultural, vida nocturna e parques naturais são motivos fortes para visitar um país à distância de meio dia de Portugal. A entrada mais oriental no icónico e fotogénico Masai Mara fica a 225 quilómetros da capital, mas não ficará nada mal servido se "só" entrar no Parque Nacional de Nairobi, onde poderá ver de perto animais selvagens, de girafas a rinocerontes. No Museu Nacional descubra porque é que o Quénia ganhou o muito cobiçado título de "berço da humanidade". Ah, e não deixe de dar um pulo ao colorido Maasai Market.

Já na megalópole Joanesburgo, a cidade mais rica do continente africano, não lhe vão faltar motivos para se entreter, mas também aprender como uma nação com um passado difícil – como o Soweto, berço de grandes líderes sul-africanos como Nelson Mandela, e o icónico Museu do Apartheid nos fazem questão de lembrar – pode superar-se e reerguer-se, ser um exemplo para outros países e ainda olhar para o futuro com imaginação. Os arranha-céus futuristas são só uma faceta desse ímpeto reformista. Outros emblemas da cidade? O Central Business District, com as suas centenas de edifícios de Art Déco, a casa de Mandela, os balões de ar quente a sobrevoarem o rio Magalies, o frenesim boémio de Parkhurst...  

z

Hong Kong, Tóquio e Pequim: Destinos milenares sob uma nova perspectiva

Sabia que em pouco mais de 16 horas poderá estar a visitar a Grande Muralha da China, um ícone da arquitectura mundial e da resistência humana, ou a Cidade Proibida, com seus magníficos palácios e jardins gizados durante as dinastias de Ming e Qing? A cidade de Pequim lembra-nos várias vezes que é feita de contrastes: é milenar e comprometida com a inovação, é megalómana e minimalista, é sede do Partido Comunista e do capitalismo mais ostensivo, é palco de passeios de aves domesticadas aos lagos e fontanários por idosos e de desfiles de carros de luxo... 

Já Hong Kong não faz tábua rasa do seu passado colonial mais remoto (tem mais de 600 templos preservados, incluindo mais de uma centena dedicados a Tin Hau, deusa do céu e do mar), nem do mais recente (não abandonou os autocarros de dois andares ou a cultura dos pubs, por exemplo), mas visitar a região permite-nos concluir que foi construindo uma identidade própria mesmo sob a alçada dos impérios chinês e britânico. Se decidir voar para a cidade que o realizador Wong-Kar-Wai tão bem filmou em "Disponível para amar" e "2046", recomendamos que explore o bairro de Kowloon, com sua movimentada Nathan Road e os seus mercados tradicionais repletos de aromas exóticos. Uma subida ao imponente Victoria Peak oferecer-lhe-á uma deslumbrante vista sobre uma cidade "disponível para ser amada".

Se o seu coração está inclinado para Tóquio, no Japão, fique a saber que vai ser difícil alhear-se das tradições ancestrais e da vanguarda tecnológica que gritam a todo o momento, à sua maneira, "japanese style". Mergulhe na atmosfera única do cruzamento de Shibuya (provavelmente o sítio mais movimentado que visitará alguma vez) e desfrute de uma experiência gastronómica autêntica nas izakayas tradicionais. Para um momento mais solene ou introspectivo, visite o templo budista Senso-ji, em Asakusa, um dos mais antigos da cidade. Imperdível é também o Art Triangle, em Roppongi.  

x

Fort-de-France, Pointe-à-Pitre e Havana: Oásis de descanso e belezas naturais 

E agora para algo completamente diferente... Caraíbas. Em Martinica, aproveite para explorar uma exuberante floresta tropical, apreciar campos de cana-de-açúcar e fazer uma paragem na animada Sainte-Anne, com as suas praias de areia branca e o mar cristalino. O sul é mais popular, mas a norte não se vai arrepender de conhecer a François Bay. Em Fort-de-France, capital de Martinica, a arquitectura de monumentos históricos como a catedral de Saint Louis, a câmara municipal e a biblioteca Schoelcher merecem um olhar atento. Ainda não está convencido? Passeios gastronómicos, mergulhos em águas transparentes, caminhadas pelo Mount Pelée e rum caribenho prometem memórias duradouras.

Outro destino de nome francês com clima tropical é Pointe-à-Pitre, em Guadalupe, que tem em Grande-Terre o destino ideal para adeptos de praias e banhos em mar azul-turquesa e em Basse-Terre o chamariz perfeito para caminhantes que vão encontrar no Parque Nacional de Guadalupe espécies que possivelmente nunca viram em vida. Na cidade de Pointe-à-Pitre, não se esqueça de visitar a icónica Place de la Victoire e de perder-se nas cores e nos aromas do Mercado Central.

Já em Havana, testemunhe com os seus próprios olhos as ruas cheias de charme da cidade velha e desfrute da atmosfera única dos bairros de Vedado e Miramar... e pergunte aos locais porque o rum, o café, o açúcar e o tabaco são tão essenciais à cultura cubana. Aproveite a oportunidade para dançar ao ritmo contagiante da rumba ("Buena Vista Social Club" deixará de ser apenas um disco ou um filme) e contemplar a beleza do famoso Malecón.

s

Boston, Nova Iorque e Miami: A vibrante costa leste dos EUA

Anda a adiar uma estreia aos Estados Unidos da América há algum tempo? Talvez 2024 seja o ano de colmatar definitivamente essa falha. Em Nova Iorque, pode encontrar várias Nova-Iorques: a do bairro de Brooklyn, a dos museus e galerias de arte, a dos american diners, da grandiosidade da Estátua da Liberdade e do Empire State Building, a dos passeios na Quinta Avenida, a dos espectáculos da Broadway... Ao pôr os pés em Nova Iorque, vai perceber melhor o que o actor Robert de Niro quis dizer quando proclamou um dia que esta era "a cidade mais excitante do mundo". 

Também na costa leste, propomos Miami, com as suas praias iluminadas da região de South Beach e a movida nocturna de Miami Beach a fazer inveja a muitas capitais europeias, e a cidade de Boston, que chegou a ser apelidada de "Atenas da América". Na capital do estado de Massachussetts, poderá visitar os recantos do bairro histórico de Beacon Hill e aproveitar ainda para conhecer a Universidade de Harvard, o emblemático Harvard Stadium e a primeira biblioteca pública do país.

d

Los Angeles e San Francisco: a costa oeste dos EUA será real?

Los Angeles ou San Francisco? A "Cidade dos Anjos" ou "A Cidade do Pecado"? A escolha é difícil.  Los Angeles é terra do cinema, dos sonhos, das ilusões, mas também de experiências genuínas. As montanhas São Gabriel, o Getty Center, a Venice Beach, a Chinatown, o Walt Disney Concert Hall e o Parque MacArthur são inquestionavelmente deste mundo (embora por vezes não o pareçam). Cruzando a realidade com a ficção, pode dar um passeio pela icónica Calçada da Fama em Hollywood, obrigatório para um entusiasta da sétima arte.  

Já em San Francisco, não deixe passar ao lado a experiência de atravessar a lendária Golden Gate Bridge (tão bem apanhada em "Vertigo", de Hitchcock, a propósito de cinema) e explorar o charmoso bairro de Fisherman's Wharf. O passeio de teleférico pelas famosas ladeiras da cidade e os deliciosos pratos da cozinha local no Mercado Ferry Building são outros dois must-do's

d

Ainda a planear as viagens do ano? A Air France quer ajudá-lo a testemunhar e registar momentos únicos de descoberta e encantamento em 2024. Não perca o seu voo rumo à maravilha