Alexandre Vaz

Artigos publicados por "Alexandre Vaz"

Quebra-Ossos: O regresso dos barbudos
António Luís Campos

Quebra-Ossos: O regresso dos barbudos

No final de 2022, arrancou o Projecto LIFE “Corredores Ibéricos para o Quebra-ossos”, com o objectivo de favorecer a expansão e instalação de novos núcleos reprodutores na Península Ibérica. Os transmissores de satélite dos quebra-ossos libertados na Andaluzia comprovam que eles já entraram diversas vezes em território nacional.

Alexandre Vaz

Três "novos" tentilhões
João Paulo Gonçalves

Três "novos" tentilhões

Até recentemente considerado uma subespécie, o tentilhão dos Açores (Fringilla moreletti) passou a ser uma espécie diferenciada do tentilhão da Madeira (Fringilla maderensis) e do das Canárias (Fringilla canariensis). 

Alexandre Vaz

Uma improbabilidade da evolução: O morcego dos Açores

Uma improbabilidade da evolução: O morcego dos Açores

Antes da chegada dos humanos ao arquipélago, existiam ali apenas duas espécies de mamíferos terrestres – uma delas a protagonista desta história. Saiba como alcançaram os morcegos os Açores e porque prosperaram.

Alexandre Vaz

Tempero da vida, dádiva do oceano
João Nunes Silva

Tempero da vida, dádiva do oceano

No território a que hoje chamamos Portugal, a exploração de sal marinho remonta à Idade do Bronze. No ano 959, a condessa Mumadona Dias doou em testamento um conjunto de bens ao cenóbio de Guimarães, onde se incluíam as salinas em Aveiro, onde esta fotografia foi tirada.

Alexandre Vaz

Georota do Orvalho: um poema no Centro

Georota do Orvalho: um poema no Centro

O turismo de natureza procura novos rumos e a geologia pode ajudar. Em Oleiros, um concelho reinventa-se para tirar partido do seu património.

Alexandre Vaz

Flor como arma

Flor como arma

Em Angola abundam inúmeros tesouros naturais e paisagens com tanto de surpreendente como de inolvidáveis. 

Alexandre Vaz

A crise do nemátode no pinhal português

A crise do nemátode no pinhal português

Há mais de duas décadas que o pinhal português está em guerra. O inimigo é invisível e supera em efectivos o exército de combate. E, no entanto, combate-se o nemátode com ciência e bom senso.

Alexandre Vaz

Do Cabo da Roca à Praia da Ursa
SHUTTERSTOCK / Life Collection Photography

Do Cabo da Roca à Praia da Ursa

A escassos 40 quilómetros de Lisboa, pode encontrar o Cabo da Roca, um lugar mágico. É também o ponto mais ocidental da Europa.

Alexandre Vaz

Bastidores: da floresta para o estirador

Bastidores: da floresta para o estirador

A ilustração continua a ter uma capacidade privilegiada para reproduzir pormenores, e ilustradores como Marco Nunes Correia são decisivos para os investigadores.

Alexandre Vaz

Descobrir a natureza sobre rodas

Descobrir a natureza sobre rodas

Em serras cobertas de floresta, em planícies floridas, por caminhos rurais ou junto de falésias temperadas pela brisa marítima, a bicicleta revela-se uma forma extraordinária de usufruir da natureza.

Alexandre Vaz

Berlengas lotadas

Berlengas lotadas

Uma pequena ilha, espécies ameaçadas e muitos visitantes.

Alexandre Vaz

As gravuras descem à Capital

As gravuras descem à Capital

Uma exposição no Museu de Arte Popular faz aquilo que nunca tinha sido feito: transporta a arte do Côa para uma grande cidade.

Alexandre Vaz

A nova vida dos herbários

A nova vida dos herbários

O registo mundial de herbários lista atualmente cerca de três mil coleções organizadas que, no seu conjunto incluem cerca de 380 milhões de exemplares de plantas.

Alexandre Vaz

Novos ventos no Tarrafal

Novos ventos no Tarrafal

O Norte de Santiago é um lugar de má memória para antigos presos políticos do Estado Novo.

Alexandre Vaz

Piar de revolta contra pesticidas

Piar de revolta contra pesticidas

O uso de pesticidas esteve na origem do declínio do papa-moscas de São Tomé, uma das 28 espécies únicas do arquipélago que o tornam a região com a maior taxa de endemismo de aves do mundo. 

Alexandre Vaz

Boné no equador

Boné no equador

Boné do Jóquei é um ilhéu desabitado de 30 hectares e que dista apenas 2,5 quilómetros da ilha do Príncipe. 

Alexandre Vaz

Ecos de outra escrita na cidade de Lisboa

Ecos de outra escrita na cidade de Lisboa

Em 2014, uma escavação em Lisboa encontrou a prova definitiva: escreveu-se em fenício na fachada atlântica da Europa durante a Idade do Ferro. 

Alexandre Vaz

Lisboa desconhecida

Lisboa desconhecida

Consegue imaginar um mar tropical de águas quentes e pouco profundas cobrindo o aqueduto e toda a cidade de Lisboa?

Alexandre Vaz

Antes inferno, hoje paraíso

Antes inferno, hoje paraíso

O Norte da ilha de Santiago, no arquipélago de Cabo Verde é um lugar de má memória para antigos presos políticos do Estado Novo. 

Alexandre Vaz

Salto de Pardal

Salto de Pardal

Os segredos de um pardal cabo-verdiano que ajuda a contar a história da evolução.

Alexandre Vaz

Sífilis na baixa de Lisboa

Sífilis na baixa de Lisboa

Da análise antropológica dos seus restos mortais, viria a ficar evidente que as alterações ósseas se ficavam a dever à sífilis.

Alexandre Vaz

Desvendado o mistério do maior canário do mundo

Desvendado o mistério do maior canário do mundo

No final de 1887, quando o naturalista Francisco Newton desembarcou na ilha de São Tomé, rapidamente se apercebeu de que a fauna diferia bastante da da ilha vizinha de Príncipe. E foi desvendado, finalmente, o mistério sobre o bico-grossudo, que estava suspenso desde a reportagem  "Enigma de São Tomé e Príncipe" publicada em Fevereiro de 2012.

Alexandre Vaz

Os fósseis da Ameixoeira

Os fósseis da Ameixoeira

Fátima Cunha, professora em Lisboa, procurava inspirar os seus alunos das Ciências Experimentais a encontrarem no próprio bairro factores de identidade e orgulho. 

Alexandre Vaz

A mão invisível da evolução

A mão invisível da evolução

Nas florestas do Gabão, cientistas portugueses financiados pela National Geographic procuram mais peças para o puzzle da evolução. Darwin descreveu o mandril como o mais colorido de todos os mamíferos, pois as cores vibrantes da face variam com a sua excitação. Hoje sabemos que as fêmeas preferem os machos mais coloridos.

Alexandre Vaz